segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Anton Makarenko

"É preciso mostrar aos alunos que o trabalho e a vida deles são uma parte do trabalho e da vida do país". Foto: Alexandre Sassaki
"É preciso mostrar aos alunos que o trabalho e a vida deles são uma parte do trabalho e da vida do país" Foto: Alexandre Sassaki


Anton Semionovich Makarenko nasceu em 1888 na Ucrânia, filho de um operário ferroviário e de uma dona de casa. Aprendeu a ler e escrever com a mãe, como a maioria das crianças da época, e logo depois foi matriculado numa escola primária.

Lá teve acesso às disciplinas de Língua Russa, Aritmética, Geografia, História, Ciências Naturais, Física, Desenho, Canto, Ginástica e Catecismo, mas não pôde estudar sua língua materna, a ucraniana, proibida pelo império czarista na Rússia, nem Lógica e Filosofia, exclusivas da elite.

Aos 17 anos, Makarenko concluiu o curso de Magistério e entrou em contato com as idéias revolucionárias de Lênin e Máximo Gorki, que influenciaram sua visão de mundo e de educação. Sua primeira experiência em sala de aula ocorreu em 1906, na Escola Primária das Oficinas Ferroviárias, onde lecionou por oito anos. Em seguida assumiu a direção de uma escola secundária. Mais consciente do modelo de educação que queria aplicar, ampliou o espaço cultural e mudou o currículo com a ajuda de pais e professores. E estabeleceu o ensino da língua ucraniana.

Sua mais marcante experiência deu-se de 1920 a 1928, na direção da Colônia Gorki, instituição rural que atendia crianças e jovens órfãos que haviam vivido na marginalidade. Lá ele pôs em prática um ensino que privilegiava a vida em comunidade, a participação da criança na organização da escola, o trabalho e a disciplina.

Publicou novelas, peças de teatro e livros sobre educação, sendo Poema Pedagógico o mais importante. Morreu de ataque cardíaco durante uma viagem de trem em 1939, ano que ficaria marcado pelo início da Segunda Guerra Mundial.

Para pensar

Makarenko talvez tenha sido o educador que levou às conseqüências mais radicais as questões do espírito de grupo e do trabalho coletivo. Tudo era discutido entre alunos, professores e a direção da Colônia Gorki e da Comuna Dzerzinski. Por essa razão, embora tenha vivido numa época e num contexto totalmente diferentes dos atuais, vale a pena conhecer suas idéias e pensar sobre elas.

Mas será que as crianças e os jovens atuais conhecem de fato o significado de grupo? Ou a idéia de coletivo é abstrata? Os jovens se sentem responsáveis pela escola e pelo bem-estar de seus colegas? "Precisamos pensar se estamos formando pessoas cada vez mais individualistas ou coletivas", diz a educadora Cecília da Silveira Luedemann. Estamos realmente educando para a colaboração e a solidariedade?

A obra de Makarenko provoca ainda uma reflexão sobre a disciplina.

Estamos sendo permissivos demais? Como atingir o equilíbrio entre limites e liberdade? Makarenko dá algumas respostas. Podemos não concordar totalmente com elas, mas é inegável que seu trabalho produziu resultados positivos num momento de grandes dificuldades sociais. Não estaremos nós em momento equivalente?


Fonte: http://revistaescola.abril.com.br

4 comentários:

{♥Åññä Lµí§ä♥}_L€ØNARÐØ disse...

Olímpia atualiza seu mural ele já nos oferece 500 caracteres o seu ainda está em 180 quase nem dá para digitar muito!
Meus parabéns muito lindo seu Blog e de muito bom gosto o tema!
Quero Selo e Award desse Blog também ehehehe adoro se sabe disso!
Beijoss fica com Deus!

Quintal das Rosas Decorações disse...

Oie, que moça chique esta adorei este cantinho, muito bom conhecer a biografia de grandes mestres e escritores...

beijinhos...
monica

{♥Åññä Lµí§ä♥}_L€ØNARÐØ disse...

Eu adoro seus Selinhos são todos lindos demais e só não pego quando não sei mas se eu souber ehehehe não deixo mesmo amo receber esses mimos!
E você tá de parabéns porque os seus são muito gracioso!

Beijoss fica com Deus!

Fabiola Karla Fachetti Cristo disse...

Oi minha linda....
Que cantinho mais lindo!!! Já estou seguindo e divulgando também!!!!
bjs........

 
©2009 Templates e Acessórios por Elke di Barros